You are here

Samuel Fialho é candidato à Junta de Freguesia da Nazaré

A Coligação Democrática Unitária apresentou Samuel Fialho como candidato à Junta de Freguesia da Nazaré. Continua a aposta da CDU em jovens com provas dadas na sociedade civil que apoiados em camaradas experientes garantem a renovação no modo de fazer política que os nazarenos desejam e a Nazaré precisa.   [vimeo 221774542 w=640 h=360] Boa tarde, Camaradas e Amigos, É com enorme honra e sentido de responsabilidade que quero anunciar a minha candidatura à Assembleia de Freguesia da Nazaré pela lista da CDU. Quero também agradecer aos camaradas e amigos que fazem parte deste projecto colectivo, a confiança que em mim depositaram para enfrentar este desafio. Aquilo que vos posso garantir é trabalho, entrega e dedicação para construirmos uma Nazaré melhor. A minha candidatura e envolvimento pessoal neste projecto nasce de um profundo descontentamento com o rumo que a nossa terra está a tomar. Não nos bastaram vinte anos de escuridão com os mandatos de Jorge Barroso; temos agora todos os sinais e todas as provas de que o mandato do Partido Socialista não será melhor. Senti que era o momento de deixar de apenas criticar. Decidi arregaçar as mangas e pôr mãos-à-obra. A Junta de Freguesia da Nazaré não tem sido mais do que um apêndice, um prolongamento e uma mera marioneta, instrumentalizada, às ordens da Câmara Municipal da Nazaré. Os fregueses não conseguem distinguir onde começa a Junta e acaba a Câmara. E isto, camaradas e amigos, é muito mau; e é por isto que nos cidadãos cresce um sentimento de inutilidade deste órgão. É isto que queremos mudar. Não desconsideramos a importância de algumas obras que têm sido feitas pelo actual executivo, até porque grande parte delas constavam de forma exacta no nosso último programa eleitoral. Aquilo que criticamos é a total falta de critério para a execução destas obras, a falta de uma visão de longo prazo e a inexistência de um plano estruturado de desenvolvimento da freguesia. Grande parte das obras que foram feitas não tiveram qualquer sentido de prioridade, de hierarquia e, principalmente nos últimos meses, o que temos visto pelas ruas da Nazaré é pura hipocrisia eleitoral. Perguntamos ao actual executivo da Junta de Freguesia da Nazaré se todas estas obras não podiam ter sido feitas ao longo do mandato ou se tiveram a urgência de serem feitas a escassos meses das eleições. Se houvesse dúvidas da forma populista como este executivo se comporta, este seria o exemplo mais claro. No que diz respeito a estas intervenções de proximidade, parece-nos que o actual presidente coloca o dedo na boca e levanta a mão para saber de onde sopra o vento e para onde vai a seguir. Este carácter aleatório das decisões da Junta de Freguesia levanta dúvidas nas mentes dos nossos fregueses. Porque é que uma obra é feita e outra não? Qual o critério de escolha? Qual é a escala de prioridades? A actual junta é um espelho da Câmara Municipal: uma Junta fechada em si mesma e na sua equipa, sem criatividade e avessa à participação e envolvimento dos fregueses nas decisões a tomar por parte do executivo. Camaradas e amigos, é também por isto que apresentamos esta candidatura. Uma candidatura que promete servir única e exclusivamente os interesses de todos os seus fregueses e não os interesses da Câmara Municipal da Nazaré ou os interesses pessoais de quem aqui apresenta esta candidatura. Queremos uma Junta que possa servir de ponto de equilíbrio, de controlo dos desvarios e da forma arrogante e autocrática que tem sido a imagem de marca do actual executivo camarário. Lutamos e lutaremos, pela construção de uma Junta de Freguesia que ouça, que dialogue, que apresente os seus pontos de vista e que tenha a humildade de reconhecer que necessita da opinião dos seus fregueses e de todas as forças políticas representadas na assembleia de freguesia para levar o seu objectivo a bom porto. Porque é para eles que a Junta de Freguesia existe, não para alimentar egos desmedidos. A nossa candidatura nasce para, de uma vez por todas, assumir o papel preponderante que uma junta de freguesia deve ter na sociedade. Queremos ir muito para além das responsabilidades e funções que nos são estipuladas por lei; queremos ter uma voz política activa na luta, na visibilidade dos problemas e na protecção das populações, designadamente, das mais vulneráveis. Como já referimos, queremos ser uma junta de portas abertas, criativa, que governa de uma forma inclusiva e não através do Facebook. E para combater a falta de critério que tem regido a acção do actual executivo, queremos construir um plano estrutural que aponte os caminhos a seguir pela nossa Freguesia. Onde queremos estar? Como e com que identidade? Estas são algumas das perguntas que queremos responder. Só a partir da criação de um grande plano estratégico podemos ter uma Junta de Freguesia que sabe para onde quer ir e, desta forma, melhorar as condições de vida dos nossos concidadãos. Queremos, pois, uma Junta de Freguesia que seja pró-activa e não reactiva, como de resto esta tem sido. Uma junta que previna e não descuide. Uma Junta que facilite e não empache. Uma junta de freguesia próxima e não distante. Enfim, uma junta que se foque nas pessoas e não nas obras. Porque a Junta de Freguesia não pode ser apenas um mero estaleiro de obras. A Junta de Freguesia tem de ser uma casa livre, que acompanha as pessoas e que está lá para apresentar soluções para os seus problemas. A junta de freguesia não pode ser a mansão de uns e a cabana de outros. A junta de freguesia, tal como nós a vemos, não pode ser uma instituição caritativa, e que dessa forma perpetue os problemas das populações. O que temos assistido até aqui, tem sido um rol de soluções para remendar a situação no momento, levando algumas pessoas a uma posição humilhante. Aquilo que a CDU defende é um conjunto de propostas que ataquem a raiz do problema e que deem uma vida digna às nossas populações. Não podemos subscrever as causas dos problemas e depois ajudar a resolvê-los. A chave da questão está na origem – não criar os problemas que causam as desigualdades sociais é o caminho. Um exemplo concreto: votar favoravelmente, em assembleia municipal, a subida generalizada de impostos, taxas e tarifas municipais, descapitalizando as famílias e depois criar uma loja social, parece-nos contraditório e incoerente! Permitam-me agora falar de uma localidade que tem sido tão mal-tratada e abandonada pelo actual executivo: Fanhais. Não existe uma única acção concreta, uma proposta, uma ideia que mude o actual estado de negligência e de desamparo com que Fanhais se depara. Ao longo de todos estes anos temos vindo a dar voz aos seus habitantes e a concretizar propostas que possam mudar radicalmente o actual estado de Fanhais. A Junta de Freguesia da Nazaré tem de ser uma casa de portas escancaradas para os jovens. Esta é uma preocupação central da CDU e não é por acaso que quer esta lista, quer a lista do meu camarada Samuel Oliveira à Junta de Freguesia do Valado é composta por pessoas tão jovens. Ao longo destas décadas, os nossos jovens são forçados a abandonar a sua freguesia porque não existem respostas concretas para as suas necessidades. A nossa candidatura irá apresentar várias propostas no sentido de restabelecer a representatividade dos jovens nos órgãos locais. Sabemos que os jovens encontrarão na CDU a força certa para os defender. Defendemos um programa específico que lhes dê condições para regressarem à sua terra natal. Temos argumentos concretos para os convencer a voltar e a ficar. Porque a única maneira da Nazaré crescer é ter os nossos jovens cá. Queremos, também por isso mesmo, que a Junta de Freguesia tenha uma intervenção cultural ambiciosa, ao contrário da triste realidade que estes últimos quatro anos nos deram a provar. O actual executivo nunca fez uma aposta séria na cultura e empurrou-nos para um deserto de ideias. É por isso que a nossa Junta de Freguesia dará apoio incondicional ao movimento associativo, fundamental para oxigenar a nossa terra do ponto de vista cultural. Falei-vos de uma lista jovem mas quero destacar também os membros menos jovens que vêm conferir às nossas listas um misto de experiência, juventude e irreverência. Queremos uma Junta de Freguesia activa, moderna, dinâmica e criativa porque temos consciência das dificuldades que iremos encontrar pelo caminho. Enfim, queremos uma junta de freguesia do século vinte e um. Basta de uma junta de freguesia apenas para uns e não para outros. Basta de uma junta de freguesia amorfa, fechada e populista, que governa para a fotografia do Facebook. Chega de uma junta de freguesia que vai para onde o vento a empurra, como se fosse um bote à deriva. Por uma junta de freguesia que ponha fim à arrogância e à autocracia, que seja uma casa aberta, limpa e fresca. Por uma junta de freguesia próxima, com soluções e com um plano, uma visão a longo prazo. Por tudo isto, é importante votar na CDU. Vamos ao trabalho camaradas! Viva a Nazaré! Viva a CDU!