You are here

Declaração Política apresentada na última sessão da Assembleia Municipal da Nazaré

Caros membros desta assembleia, em primeiro lugar, a CDU-Nazaré deseja a todos, uma boa sessão de trabalho na prossecução dos objectivos a que nos propusemos: a defesa dos superiores interesses da população do concelho da Nazaré.

Caminhando a passos largos para o final deste mandato, importa aqui reflectir, sobre estes últimos quase 4 anos, e no que realmente foi alcançado por este executivo face ao vasto leque de promessas eleitorais com que se apresentou a eleições.

Podemos agora afirmar com toda a legitimidade que, este executivo venceu as eleições com base em ilusões criadas no eleitorado, recorrendo a inverdades e lançando espectativas na população que não se confirmaram, nem confirmarão, até final do presente mandato.

Mais uma vez perguntamos pelos investimentos que, à época, já estariam assegurados, segundo o então candidato, agora presidente, desde o Canadá, da Rússia e das mais exóticas paragens onde cheirasse à ilusão de investimento capitalista. Senhor presidente. Onde estão esses investidores? Onde estão essas unidades de produção a funcionar? Onde está essa criação de riqueza e postos de trabalho? Tem noção do impacto dessas espectativas goradas, na vida dos muitos a quem iludiu?

Já não valerá a pena “marchar sobre a chuva” do PAEL, que era para recusar e foi imediatamente abraçado! Nada era para vender, mas, nem com os dedos ficaram, quanto mais com os anéis! Despedir era uma infâmia, e, no entanto, inauguraram um novo período na história da autarquia, em termos de relações laborais, com o primeiro despedimento colectivo de que há memória!

E a transparência? Era tantas vezes evocada, em vão, dizemos nós, dado que, vem agora uma associação cívica nacional afirmar que o município da Nazaré se encontra na posição 179 da geral! Pensávamos nós, que com tanta transparência que propagandearam, quase dava para ver a Nova Zelândia, que são os nossos antípodas! Não vale a pena tanto ilusionismo. E como diz a canção – “pode alguém ser quem não é?”

Curioso verificar nas mesmas estatísticas o seguinte: em 21 anos de PS e 20 de PSD, conseguiram criar um concelho extremamente envelhecido, com taxas diminutas de munícipes com ensino superior, com fraco poder de compra e que, pelas características da nossa população activa, muitos munícipes nem constam dos registos do centro de emprego por encontrarem, à falta de políticas activas de emprego, formas alternativas de sobrevivência. Se assim não fosse, muito maior seria a taxa de desemprego. Não referindo também, a sazonalidade do emprego criado e a precariedade do mesmo.

Desde 1976 foi este concelho que PS e PSD construíram – juntos ou separados.

Senhor presidente. Sabe quantificar os prejuízos para o comércio local pelo facto das obras da marginal estarem paradas? Já agora, qual é a razão desta súbita paragem? Será que voltaram a fazer tábua rasa, relativamente às obrigações legais da contratação pública – o que já vem sendo um hábito vosso? Ou será pelo excessivo tempo para pagar aos fornecedores? Cerca de quatro anos e meio em Dezembro último.

Relativamente aos milhões e milhões da Onda que não param de aumentar: Onde estão esses milhões? Para que bolsos foram transferidos? Para os bolsos da população do concelho? Como calcularam essas verbas? Alguns elementos que apoiam o executivo do PS lembrar-se-ão o que disseram ao então administrador da Nazaré Qualifica quando apresentou na AMN os resultados da projecção mediática da Onda. Por vezes, torna-se indecoroso assistir à forma como alguns torcem a língua para dizer o contrário daquilo que assumiam há algum tempo atrás! Vergonhoso! Também neste caso, PS e PSD têm usos e costumes iguais!

A CDU já tomou posição pública sobre o erro colossal da dimensão da estrutura criada para secar o peixe, no entanto importa aqui reforçar esta grave falha da responsabilidade do executivo. Ainda assim, disponibilizamo-nos a propor e a discutir formas de rentabilizar a actividade e o espaço.

Quanto à escultura do “Veado” quando esta tem as hastes, ou “Bambi” quando não as tem, para além de razões de diversa ordem constantes no nosso comunicado, aparecem agora graves deficiências técnicas que só revelam que os materiais utilizados inviabilizariam à partida, a colocação da peça naquele local tendo em conta os índices de humidade, salmoura, segurança, etc, etc, etc.

Ficará portanto, este executivo, lembrado pelas obras de cosméticas elevadas à enésima potência, gastando o que não tem e deixando por resolver as questões estruturais no interior da nossa sociedade. Continuamente enveredaram pelo discurso fácil, pelo populismo, pelos eventos de massas, adulterando toda a genuinidade que este concelho tem, em nome da mercantilização de tudo e da monocultura do turismo.

A sociedade está esvaziada, silenciosa e com medo. O terror instalou-se e o contraditório não existe. As vozes calam-se e as luzes estão difusas. Sinais preocupantes num concelho com quase tudo por fazer no que toca à construção de “Pessoas”.  

Os erros que cometem são os mesmos de outros executivos nestes 41 anos. Bem como as obras e opções estratégicas que escolhem são em tudo idênticas. Apenas mudam as cadeiras e os nomes.

Já agora, enviem os necessários e completos documentos aos ROC´s para verificarmos, de uma vez por todas, às quantas andamos relativamente às contas do município!  

Muito obrigado!

Nazaré, 10 de Fevereiro de 2017

O Grupo Municipal da CDU na Assembleia Municipal da Nazaré