You are here

Moção - recuperação e manutenção da segurança no molhe norte

Pela recuperação e manutenção da segurança no molhe norte do porto da Nazaré 

MOÇÃO 

Depois da recuperação do molhe norte do porto da Nazaré, afectado em Janeiro de 2013 por uma tempestade marítima de graves consequências em várias estruturas locais, o mar continua a fazer das suas naquele ponto da nossa costa.

Sucede agora, que devido ao deslocamento, por afundamento dos tetrápodes de betão em direcção ao mar, ficaram estes separados do pontão que defendem, deixando uma abertura com alguns metros, entre o final do pontão de cimento e esses mesmos tetrápodes que dali se descolaram, originando que existam já uns enormes buracos com alguns metros largura e de profundidade, conforme se pode confirmar nas fotos juntas.

Por via disso, torna-se muito urgente que novamente se tomem medidas rápidas e consequentes, com vista à recuperação da ponta do molhe norte, junto ao farolim e, ao mesmo tempo, se evite que ali aconteça alguma tragédia humana.

A situação é, sem dúvida, muito perigosa, na medida em que aquela zona é muito concorrida, ainda mais nesta época do ano, o que coloca em risco os adultos, e, principalmente, as crianças que ali se passeiam.

Nesse sentido, e com vista a que rapidamente se tomem decisões que impeçam poder acontecer ali alguma tragédia, a CDU propõe que esta AM delibere:

1 Que a CMN informe urgentemente todas as autoridades com responsabilidade na manutenção ou recuperação nas infra-estruturas daquele tipo, para que, no mais breve prazo, possam decidir da recuperação da estrutura e, de forma mais urgente, da criação de uma zona de segurança, ou do que entenderem mais apropriado, para salvaguardar a segurança das pessoas que ali passam.

2 Que a CMN não negligencie a consequente e rápida resolução deste assunto até ele estar completamente resolvido.

3 Que a CMN providencie, dentro das suas possibilidades, a colocação imediata e provisória de algum tipo de limitador de aproximação ao precipício ali criado pela natureza, mas que têm que ser os homens a saber urgentemente resolver.